Períodos de medo nos cães! Quais são e o que fazer?

Já se questionou porque é que o seu cão, de um momento para o outro, reagiu de forma desconfiada a um familiar que costuma frequentar a sua casa? Ou porque é que o seu cão num determinado momento, se recusou a subir por medo, as escadas que ele já tinha subido várias vezes? Ou porque é que o seu cão rosnou ao cão do vizinho com o qual já tinha brincado?

A resposta a estas perguntas, pode estar associada a um período de medo pelo qual o seu cão esteja a passar.

Durante o desenvolvimento dos cães, existem alguns períodos nos quais devemos ter cuidados redobrados para prevenir o condicionamento de medos e fobias a determinados estímulos.

Todos nos já ouvimos falar do período critico da sociabilização, que ocorre por volta das 8 semanas de vida de um cão, no entanto, existem outros períodos críticos, que são desconhecidos por muitos profissionais e pela maioria dos tutores, e que são tão ou mais importantes que o primeiro.

Estes são os períodos de medo no desenvolvimento de um cão:

1º - Por volta das 8 semanas de vida

2º - Por volta dos 4 meses e meio

3º - Algures entre os 9 e os 10 meses

4º - Por volta dos 13 meses

5º - Algures entre os 17 e os 19 meses

1º - Por volta das 8 semanas de vida

Este é o período de medo mais conhecido no mundo dos cães. Durante este tempo, os cães começam a criar alguma independência em relação à progenitora e isso faz com que comecem a explorar o ambiente de forma voluntária e longe da proteção materna. Esta exposição precoce mas necessária, pode coloca-los na presença de um estímulo (visual, audível, sensorial, olfativo...) ameaçador (na perspetiva do cachorro) , situação que pode desencadear medo momentâneo no cachorro, no entanto, se for generalizado, o medo a esse estímulo pode permanecer para o resto da vida.
Sempre fui a apologista de que às 8 semanas de vida, seria o momento ideal para os cachorros deixarem a ninhada e serem introduzidos na família adoptante. Atualmente, tendo em conta a minha experiência e os conhecimentos adquiridos, aconselho que os cachorros, apenas sejam entregues às novas famílias, entre as 9 e as 10 semanas de vida. Tendo em conta que à 8ª semana existe um período de medo, é importante que o cão nessa fase permaneça junto da maior fonte de segurança que tem, a progenitora, e que não seja exposto a novidades e a grandes estímulos ambientais (situação que obrigatoriamente ocorreria, caso fosse introduzido no novo seio familiar, às 8 semanas de vida)

2º - Por volta dos 4 meses e meio

Esta é mais uma etapa em que o cachorro passa por um período de medo, e se encontra emocionalmente mais fragilizado e predisposto em presenciar situações stressantes. Neste sentido, durante este período, evite introduzir grandes alterações na rotina do cachorro. Por exemplo, se o cachorro, aos 4 meses e meio, ainda não teve oportunidade de interagir com outros cães, evite fazê-lo nesta fase e aguarde alguns dias para essa nova experiência, ou, caso tenha interesse em o apresentar a outros cães (visto que o cão ainda se encontra dentro do período de sociabilização e quer aproveitar esse período ao máximo) faça-o de forma muito gradual e positiva desde o primeiro momento.

3º - Algures entre os 9 e os 10 meses

Pode acontecer que durante este período o seu cão reaja de forma indesejada a um estímulo (por exemplo, um familiar) com quem já interagiu no passado. Se por ventura isso ocorrer (é muito frequente), ignore o acontecimento e simplesmente retire o cão do contexto. Não insista em tentar resolver a situação no momento, por norma são respostas espontâneos que se não forem vividas de forma intensa não tem um impacto negativo no cão.

4º - Por volta dos 13 meses

Este período de medos está interligado à maturidade sexual do cão (mudança hormonal) e ao respetivo desenvolvimento físico e cognitivo associado.

5º - Algures entre os 17 e os 19 meses

Este é o período de medos, menos óbvio, e nem sempre é perceptível na perspetiva humana. No entanto, alguns especialistas afirmam que é muito frequente, surgirem períodos de medo durante este intervalo de idades.

Cuidados a ter em qualquer um dos períodos acima mencionados:
 

  • Trabalhe na prevenção e evite expor o seu cão a novidades durante um período de medo.
     
  • Caso a novidade tenha mesmo que ser introduzida, faça com que se torne numa situação muito positiva na perspetiva do cão.
     
  • Os períodos de medo costumam perdurar durante poucos dias, neste sentido tenha paciência e se o seu cão se sentir inseguro, retire-o logo da situação stressante. Faça com que ele confie em si e o veja como fonte de segurança.
     
  • Invista numa boa sociabilização. Quanto mais enriquecedor for o dia-a-dia do seu cão, menores serão as probabilidades de o mesmo se assustar com um estímulo, durante um período de medo. Um cão confiante é um cão seguro nas suas ações.
     
  • Nunca puna o seu cão, muito menos em situações em que os comportamentos dele estão a ser influenciados por medo. 


Atenção: Podem existir pequenas variações nestes períodos. Cães de porte pequeno atingem a maturidade mais cedo que cães de porte grande, e caracteristicas como a raça, a genética, a sociabilização e a individualidade de cada cão pode ter alguma influéncia em quando cada periodo de medo ocorre. As idades mencionadas, são idades referência.