Um cão acorrentado! Porquê?

Vivemos num país, em que milhares de portugueses ainda não entendem que o cão é um animal doméstico ou um animal de companhia. A evolução do cão, fez com que este animal criasse uma relação muito próxima com o ser humano, logo é um animal geneticamente preparado para viver e conviver em sociedade. É um animal que precisa de interações sociais, e atividades físicas e mentais para se sentir bem.

Toda esta filosofia, que deveria ser de senso comum, leva-me a suspeitar que algumas pessoas não têm qualquer respeito e sensibilidade por este animal de companhia.

Todos os dias, no meu trajeto, vejo cães confinados a uma área com 2 ou 3 metros quadrados, presos a uma corrente, e sempre que os vejo, encontro-os na mesma posição, sentados ou deitados! 365 dias por ano, estes cães “sobrevivem” neste cenário à espera que a morte os leve! Provavelmente nunca conheceram mais NADA a não ser a zona onde estão confinados. Estes cães apenas dormem, comem, bebem e fazem as necessidades. Este é o triste dia-a-dia de um cão acorrentado!

Nunca percebi qual é o objetivo de ter um cão acorrentado, e por muitas explicações que me deem, nenhuma delas faz sentido e considero este ato desumano! Eis algums das respostas de pessoas que mantêm os cães acorrentados:

“Quero um cão de guarda!”
Se eu fosse um ladrão, de certeza que não era um cão acorrentado que me iria impedir de assaltar a sua casa.

“Tive que o prender pois ele estragava-me o quintal todo!”      
Seria bem mais sensato se pensasse em enriquecer o ambiente do cão de forma a que ele não perdesse tempo com a terra e as suas plantinhas.           

“Ele não parava quieto, estava sempre a saltar para cima de nós”       
E que tal disponibilizar algum tempo do dia para o exercitar e fazer com que desgastasse as energias.     

“Ele era um “porco” e fazia-me as necessidades em tudo quanto era canto!” 
Se usasse o raciocínio, chegaria à conclusão que, assim como as crianças aprendem a ir à casa de banho, os cães também podem aprender a fazer as necessidades num local estipulado por si.    

“Não tenho tempo para ele!”          
Deveria ter pensado nisso antes de adquirir o cão!

Se é das pessoas que têm cães acorrentados, já pensou em colocar-se na posição do seu cão? Seria interessante ficar preso 24h por dia, 7 dias por semana, 365 por ano? Seria feliz se vivesse nestas condições, sem contacto social e sem atividades prazerosas? Parece-me que Não!

Da próxima vez, que alguém lhe perguntar se tem animais de companhia em casa, responda que não! Diga simplesmente que tem um animal acorrentado. Um cão de companhia não é de todo a definição mais apropriada para o seu caso.

Se com este artigo consegui mudar a sua forma de ver os cães, sinto-me com a missão cumprida. Caso este artigo não o tenha sensibilizado, com todo respeito, só espero que os cães deixem de fazer parte do seu futuro!